Seja Bem Vindo

21.11.16


Corpo tem órbita em trajetória e direção bastante diferente da grande maioria dos corpos celestes do sistema solar; uma das hipóteses é que estaria em girando em torno de planeta não descoberto.




Niku significa "rebelde" em chinês. E, agora, é também o nome de mais um mistério a ser desvendado por astrônomos.

Astrônomos descobriram um corpo celeste localizado no sistema solar exterior depois de Netuno que se movimenta em uma órbita atípica, numa direção diferente da traçada por planetas ou asteroides que orbitam o Sol.

Segundo a revista "New Scientist", o brilho do objeto é 160 mil vezes mais fraco que o de Netuno, o que significa que ele pode ter menos de 200 km de diâmetro.

Mas o grande mistério é de sua órbita, na direção contrária da grande maioria dos objetos do sistema solar - inclusive da Terra. Além disso, orbita um plano que tem uma inclinação de 110º graus em relação ao sistema solar.

Por isso, ganhou o nome de "Niku", rebelde.




"Espero que todo mundo tenha apertado os cintos de segurança, porque o sistema solar externo acaba de ficar muito mais estranho", twitou a astrônoma Michele Bannister, da Queens University, em Londres.





De acordo com cientistas, sistemas planetários costumam ser planos, já que a nuvens de gás formadoras de estrelas criam um disco achatado de poeira e gás ao seu redor. As forças atuam para que todas as partículas ali girem na mesma direção.

Por isso, para qualquer coisa girar em outra direção ou ter uma inclinação diferente, ela tem que ter sido atingida por um outro objeto. Mas os cientistas ainda não sabem o que pode ter causado o fenômeno nesse caso.

"Sempre que há algo que não conseguimos explicar no sistema solar exterior, é muito interessante porque, de certa forma, está antecipando uma nova descoberta", disse à New Scientist Konstantin Batygin, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos Estados Unidos.

Uma hipótese que chegou a ser cogitada é a de que o objeto esteja sendo atraído pela mesma força gravitacional que age sobre um grupo de corpos celestes alinhados de forma pouco usual no Cinturão de Kuiper - área no limite extremo do sistema solar após Netuno. Esse grupo seria atraído por um planeta gigante que orbita o sol uma vez a cada 10 mil a 20 mil anos, o hipotético "Planeta Nove".
Mas Niku está perto demais do centro do sistema solar para fazer parte deste grupo.

Também cogitou-se que poderia haver por ali um planeta anão, como Plutão, que ocasionasse esse efeito. Mas, até agora, nada foi descoberto.




Font: BBC





18.11.16


Foto: Laranjeiras nascendo


O que faz uma pessoa ser pagã é exatamente a sua interação e integração com a Natureza e como o indivíduo se beneficia dessa fonte.

Independente de morar na cidade ou no campo a sua conduta em respeito à Natureza se reflete no seu dia a dia, como por exemplo direcionar alimentos naturais da forma correta para que os mesmos voltem a dar vida e alimentar mais seres ou simplesmente nos dar mais sombra e oxigênio.

Isso é algo tão simples mas percebo como são poucas as pessoas que direcionam os restos de alimentos como frutas, verduras e legumes da forma correta. Você pode iniciar já!

O mais comum é a composteira, onde todos esses alimentos são jogados se tornando um abudo para depois ser usado na horta, no jardim, em vasos ou até mesmo em alguma praça próxima a sua casa.

Um outro método também é você ter um vaso grande e colocar no fundo um pouco de terra e conforme você for consumindo alimentos naturais, as cascas, sementes e caroços devem ser jogadas no vaso e sempre após jogar esses alimentos cobri-los com um pouco de terra evitando mosquitos. E vai fazendo esse processo até o vaso se encher. Lembrando que a última camada deve ser de terra. Quando começar a nascer as plantas, você pode ficar com o vaso, presenteá-lo ou até mesmo enterrar todo o conteúdo numa praça (os pássaros agradecem... rs).
Obs.: Para quem coa café sem açúcar, o pó usado pode ser usado no lugar na terra.

Viu como é fácil?
Então comece já!

Esse processo renova a vida através do cultivo dos alimentos.

Binha Martins






Contatos para Cursos sobre
Paganismo e Magia da Natureza:
19 991965002 (também whatsapp)

7.11.16


Especialistas dão dicas do que observar e qual o melhor local para acompanhar o fenômeno em 14 de novembro.


Superlua ocorrerá em 14 de novembro (Foto: Juan MABROMATA / AFP)


Daqui a alguns dias, a Lua estará mais perto de nós do que o comum. Na verdade, ela não se mostra tão atrevida há algumas décadas. Na véspera do próximo dia 14, será possível observar a maior Superlua em quase 70 anos.

Mas do que se trata o fenômeno? De acordo com a astrônoma britânica Heather Couper, as superluas são resultado de uma "casualidade". "A Lua gira ao redor de uma órbita elíptica, e se a Lua Cheia coincide com o ponto do trajeto onde está mais próximo da Terra, ela pode parecer absolutamente enorme", afirma.  

Essa coincidência ocorrerá novamente no dia 14 de novembro e o fenômeno deve ser extraordinário por causa da proximidade: nesta data a Lua se encontrará a 48,2 mil quilômetros mais próxima da Terra do que quando esteve recentemente no seu apogeu - que é o ponto mais distante da órbita. O satélite não chegava tão perto assim desde 1948 e não voltará a fazê-lo até 2034.

Com exceção do eclipse da Superlua de 2015, não houve nem haverá por muito tempo uma Lua Cheia tão especial - mesmo que curiosamente tenhamos tido três Superluas consecutivas em três meses - a anterior ocorreu em 16 de outubro e a última será no dia 14 de dezembro.

É possível se preparar para aproveitar melhor o fenômeno e ainda identificar algumas "surpresas".


Quando a Lua está mais afastada da Terra, se diz que ela está no apogeu. No ponto oposto, o perigeu, ela pode chegar até 50 mil km mais próxima da Terra que no apogeu (Foto: REUTERS/Amr Abdallah Dalsh)


Qual é a melhor forma de ver uma Superlua?

A melhor maneira, claro, é para ir para um local aberto e tranquilo, longe das grandes cidades e da iluminação artificial muito forte e potente.

Como em qualquer outra Lua Cheia, o corpo celeste parece maior e mais brilhante quando aparece no horizonte. E o mesmo ocorre com as Superluas. Ainda que elas apareçam 14% maiores e 30% mais luminosas que as luas cheias comuns, são mais surpreendentes quando estão na linha do horizonte e não altas, no céu.

O especialista Geoff Chester, do Observatório Naval dos Estados Unidos (USNO, na sigla em inglês), explica que isso não é resultado de uma ilusão de ótica, mas de um efeito ótico que não é compreendido completamente nem por astrônomos, nem por psicólogos.
Mesmo assim, ele acrescenta que Superluas parecem ainda maior quando vistas através das árvores ou de casas.

Alguns especialistas sugerem outra dica no mínimo curiosa para dissipar a ilusão: uma pessoa pode ficar de costas para a Lua, curvar-se e olhar para o céu entre as pernas.


Fenômeno ocorre quando lua está mais próxima da terra (Foto: Onofre Martins/G1 AM)


Surpresas para descobrir 

Na região da Lua que ficará visível no próximo dia 14 de novembro, há uma abundância de crateras causadas por impactos de meteoritos e atividade vulcânica de bilhões de anos atrás.
Os contrastes entre as áreas que refletem a luz do Sol (as montanhas) e as planícies que permanecem na sombra (os mares) pode ser convertido, com um pouco de imaginação, nas mais surpreendentes figuras.

No momento em que a Lua aparecer maior e mais brilhante, teremos uma excelente oportunidade para descobrir figuras ocultas e "desenhos" na superfície da geografia lunar.
Uma das silhuetas mais reconhecidas é a de um coelho com grandes orelhas. A imagem é tão fascinante que a civilização maia criou até uma lenda para explicar o que era um mistério até então. A lenda envolve o deus Quetzalcóatl, que, depois de um ato de generosidade de um coelho que lhe ofereceu comida em um momento de extrema necessidade, ele decidiu levá-lo para a Lua em sinal de agradecimento. Dessa forma, a imagem do coelho seria visto por todos e por toda eternidade.
Os observadores mais atentos - Cleópatra e Abraham Lincoln entre eles - disseram ter visto um rosto humano na superfície da Lua. Certamente foi o mesmo que inspirou a famosa sequência do filme Viagem à Lua, do pioneiro cineasta George Meliés.
E tem até quem chegue a ver Elvis Presley, um par de mãos, uma árvore, mulheres, sapos, Jesus Cristo e um homem carregando lenha.
Mas não é preciso ir tão longe: para muita gente, brincar de identificar o coelho já é diversão suficiente.


Um casal é visto com a lua cheia ao fundo em Kansas, nos EUA (Foto: Charlie Riedel/AP)


Contra os mitos e as falsas crenças

Ao contrário do que muito se comenta, uma SuperLua não trará com ela o fim do mundo, nem causará um aumento na incidência de crimes.
Entre os muitos mitos que são repetidos, um dos mais comuns alega que esses fenômenos teriam algum efeito sobre os criminosos, que ficariam mais vorazes nas noites de Lua Cheia.

Mas os cientistas já descartaram a possibilidade de que o perigeu possa causar comportamentos estranhos, como a licantropia - a alucinação de que um ser humano poderia se transformar em um animal, como na lenda do lobisomem, ou ainda provocar desastres naturais de qualquer tipo.
Segundo o psicólogo Scott O. Lilienfeld, da Universidade de Emory, nos Estados Unidos, "não importa quão perto ou longe ela passe, a Lua não incita crimes, como sugere a crença popular".
Autor do livro "50 Grandes Mitos da Psicologia Popular", ele alerta que estudos sobre esse tipo de conexão encontraram "uma grande quantidade de nada".
O especialista afirma que essa relação ocorre pela forma como as pessoas conectam as ideias.
"Quando há Lua Cheia e se comentem crimes, fazem esse tipo de relação. Quando não ocorre nada e ainda assim a Lua está cheia, não o fazem". 

Daqui a alguns dias, a Lua estará mais perto de nós do que o comum. Na verdade, ela não se mostra tão atrevida há algumas décadas. Na véspera do próximo dia 14, será possível observar a maior Superlua em quase 70 anos.







17.10.16


Entender de forma clara os períodos pré-históricos é importante para àqueles que estudam e buscam conhecimento em relação a evolução do Ser Humano aqui na Terra.

Um infográfico dos períodos pré-históricos:

12.10.16


Uma das cenas mais emocionantes do filme Auto da Compadecida, quando João Grilo apela à Nossa Senhora Aparecida em seu Julgamento pós morte.

Vale a pena assistir!!!





Salve nossa Rainha, Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil!




11.10.16


O Tarô é um oráculo milenar que hoje também é utilizado como ferramenta de estudos dos seus arquétipos e símbolos. Uma ferramenta complexa que requer conhecimento e dedicação para interpreta-la, onde o desenvolvimento da sensibilidade e técnicas são necessárias para um trabalho satisfatório.

Binha Martins que atua com Tarô desde 1999 estará orientando um Curso de Formação Básica em Tarô  na cidade de Americana /SP que se inicia em Março de 2017. As inscrições estão abertas e as vagas são limitadas. 





Curso de Formação Básica em Tarô

O Curso de Formação Básica em Tarô prepara o aluno em sua postura para lidar com diversos tipos de situações comuns em atendimentos oraculares e terapêuticos. O aluno irá compreender as 78 cartas isoladamente, a orientar o Consulente nas perguntas para que de forma objetiva o Tarô responda e o mais importante, estar alfabetizado(a) no sentido de leitura do Jogo ou seja, na disposição de várias cartas juntas. A base de estudo será o Tarô de Marselha, pois através deste o aluno poderá interpretar qualquer tipo de Tarô; será inserido outros tarôs durante o decorrer do curso.


Programação: 

*Postura e Ética *História do Tarô *Arcanos Maiores *Arcanos Menores *Preparação para Consulta *Preparação da Mesa *Aplicação de 6 Jogos para leitura e interpretação *Como formular a pergunta *Técnica de leitura e interpretação das cartas

Orientação: Binha Martins

As aulas iniciam dia 21 de Março de 2017
São 8 aulas às terças das 19h às 21h
Duração: 16hr

Para inscrições e informações:
19 991965002 (também whatsapp)
Email: espacocomciencia@live.com


Local: Espaço com Ciência
Americana, SP
*o endereço completo será passado no momento da inscrição







8.10.16





Esta gema (Opala Boulder), é originária da Austrália. Ela é um tipo de Gema que combina uma pedra comum, minério de ferro ou arenito e uma opala preciosa. 

A medida que a rocha vai se formando, um composto de sílica contendo água penetra na rocha, e deposita opala nas rachaduras.

O contraste que é então criada entre a rocha e a opala presa dentro dela é realmente muito bonito.




Fonte: Ciência e Astronomia



Copyright © As novas da Grande Arte | Powered by Blogger